A Química do Champagne

A Champagne Cheers!
A Champagne Cheers!

É difícil imaginar uma comemoração especial e principalmente Ano Novo sem um brinde com um espumante. Muitos se habituaram a chamar espumantes de Champagne, mas nem todos são. O Champagneé o vinho espumante feito exclusivamente na região de Champagne, na França, é necessário que o vinho respeite regras bem definidas para ter esta denominação. Fora desta região, eles são chamados de espumantes ou de outros nomes.

O que é um espumante?
É nome genérico para todo vinho que passa por duas fermentações, produzindo etanol(CH3-CH2-OH) e dióxido de carbono(CO2).
Ele pode conter mais de 600 compostos químicos diferentes.

Como ocorre essas fermentações?
A primeira fermentação é a alcoólica, reação química que transforma os açúcares da uva em álcool.
A segunda acontece quando são adicionados açúcares e leveduras, da qual resulta o dióxido de carbono, que se dissolve no líquido.

Esta bebida obedece à Lei de Henry (A solubilidade de um gás dissolvido em um líquido é proporcional à pressão parcial do gás acima do líquido), ou seja, em uma garrafa fechada de champagne, o dióxido de carbono dissolvido no vinho está em equilíbrio com o gás entre a rolha e o líquido.
Ao abrir a garrafa o equilíbrio se desfaz, a pressão do gás acima do líquido diminui e a concentração do dióxido de carbono na bebida também diminui, formando as borbulhas.

Algumas dicas
– Nunca colocar espumantes no congelador, a pressão dentro da garrafa pode fazer com que ela exploda, o correto é colocar a bebida em um balde de gelo com água durante 30 a 40 minutos, para que a temperatura seja distribuída uniformemente.

Espumante-300x231-300x231

– Inclinar o copo para servir a bebida pode preservar o dobro do dióxido de carbono.
– Ao servir garrafa deve estar bem fria e não ter sido chacoalhada, ao contrário, mais gás dissolve no líquido aumentando a pressão e ao abri-la o liquido é liberado na forma de um jorro de espuma.

Atenção: Bebidas alcoólicas são proibidas para menores. Se beber, não dirija.

Por: Pedro Henrique

Deixe uma resposta